Thursday, March 15, 2007

Música no Coração..

Ontem, como sempre, peguei no DN para uma leitura rápida antes de "aterrar"...
Na coluna do lado esquerdo, onde surgem notícias curtas, leio que o primeiro-ministro chegou atrasado a uma treta qualquer da união europeia - daquelas em que eles se reúnem agora e daqui a dez anos acontece qualquer coisa - por se ter deslocado à Madeira, só para ir buscar o coração que uma criança em Lisboa esperava.
Esta notícia interessou-me. Numa primeira fase, agarrámo-nos, cinco ou seis pessoas, em choro compulsivo. Depois, com um pouco mais de calma, pudemos finalmente apreciar a atitude de um ponto de vista emocionalmente mais estável. Se o primeiro-ministro tivesse chegado atrasado a uma reunião com gente importante por ter inadvertidamente entalado a gaita no fecho éclair, o gabinete não contava a ninguém, mas como se tratava do coração de uma criança, a poderosa máquina de imagem, que incansavelmente embeleza um homem que já é naturalmente quase perfeito, decidiu publicar o acontecimento.
Biliões de assessores são pagos, com o dinheiro dos nossos esforçados contributos fiscais, para usufruírem deste fabuloso sentido de oportunidade.
Talvez numa aldeia recôndita não haja uns patacos para se pagar a um médico, com o governamental argumento de que tal especialista servirá os queixumes antigos de uma dúzia de septuagenários insuportáveis, sem sustento para tão-pouco pagar taxas moderadoras, mas há sempre mil milhões de euros para os empenhados assessores, que mais não são do que pajens na cavalgada política de Sua Alteza Real o primeiro de todos os ministros.
Do outro lado existe um povo completamente apaixonado pelo governante. Imaginamos todos, José Sócrates a correr desalmadamente com um coração nas mãos. Durante a viagem, é natural que Sócrates tenha ido em pé para dar o seu lugar ao coração. E eu acredito, ao abrigo de uma certa tara que vou alimentando em relação ao primeiro-ministro, que Sócrates operou a criança na ausência de um médico. “Enfermeira, esta criança não pode esperar pelo médico, passe-me o bisturi” – terá dito.
Acredito também que o primeiro-ministro esteve para dar o seu órgão, no momento em que o informaram da compatibilidade de um coração madeirense. Sócrates já tinha o ventrículo esquerdo de fora quando um assessor se atirou para cima dele e lhe deu a notícia.

.. RIDICULOUS!!!

2 comments:

Anonymous said...

Não sabia que tinha casado com um colega!!! Parabéns pela prosa querido! Estás a escrever MARAVILHOSAMENTE BEM!!!

SB said...

???...???